sexta-feira, 26 de agosto de 2011

NA PELE

Minha pele tem sinais do tempo, do vento, do relento;
Minha pele tem sinais que não se apagam;
Os mais leves são os da vida, os mais profundos são do olhar da indiferença.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário